Celso Blues Boy

Por Rafael Souza e Luiz Kaffa

    

 

 

 

Você é considerado por muitos o precursor do blues no Brasil. Como foi o seu primeiro contato com o blues?

Um tio-avô meu foi para os Estados Unidos, mas não entendia nada de música. Então pediu para o lojista escolher uns discos e me enviou alguns. Nessa época, com onze anos de idade mais ou menos, ouvia todos os dias aquele disco em minha vitrola de pilha. Nos anos 70, já no Rio de Janeiro, e já tocando guitarra, fui em uma festa e lá havia alguns instrumentos: guitarra, bateria, baixo, e disseram para alguém que eu tocava. Depois que eu toquei algumas músicas uns caras vieram me falar: “Pô! Como é que você conhece blues?” E eu disse: “Mas eu não conheço blues”. “Como não conhece? Você tá tocando blues!” Aí, fiquei amigo dos caras e depois levei aquele disco que eu tinha desde criança pra eles verem e eles disseram: “Esse cara aqui é o B. B. King. É o rei do blues”. Mas até aquele momento eu não sabia quem era B. B. King, se era um guitarrista solo ou era só o cantor, só sabia da fotografia do negão lá. Mais nada. Daí, conheci algumas pessoas e mais algum material de blues e comecei a tocar, e também a compor em português, porque achava que não seria interessante fazer igual a eles, pois ninguém faria melhor que eles a não ser que tentasse fazer com alguma coisa de diferente.

 

Você participou de uma banda tida como uma das primeiras bandas de blues do Brasil. Como foi isso?

Nos anos setenta ainda, um cara chamado Geraldo Darbili era baterista. Ele e a tia dele compraram uma casa em Copacabana e fizeram o primeiro pub de blues que teve no Brasil. Esse lugar se chamava Apaloosa, e ele me contratou pra fazer o meu som, com alguns outros músicos. Eu sugeri que a banda se chamasse Aeroblues. Depois ele até registrou o nome, mas tudo bem, não tem problema. A banda causou um imenso impacto na época, pois não se tinha registro de banda de blues no Brasil. Chegávamos a fazer cerca de três shows por noite em finais de semana, com muita gente esperando do lado de fora. Foi assim durante dois anos e meio, quase três.

 

Você tocou com vários nomes da música brasileira antes de se firmar na carreira solo. Como foi essa experiência?

Com 17 anos eu tocava com Sá & Guarabira. Toquei com vários artistas, eu gosto sempre de dizer. Toquei com Raul Seixas, com o Melodia, gosto de dizer porque eu gosto deles. Mas já gravei discos com outras pessoas e fazia shows com elas também. Além disso tinha as minhas bandas. Tinha uma chamada Legião Estrangeira, que é muito anterior ao nome Legião Urbana. Renato Russo até falou: “Pô, eu sei que você tinha a Legião Estrangeira. Não tem grilo?” E eu disse: “Não, não tem grilo nenhum”. Raul foi uma grande experiência. Gravamos discos, fizemos muitos shows e ele era uma pessoa muito querida para mim. É uma pena que ele nunca teve alguém que realmente se importasse com ele, para não permitir o que certas amizades que ele tinha, fizessem o que fizeram com ele. Ele não tinha quem o protegesse. Raul queria na verdade ser algo como Elvis Presley. Ele era um rocker. Às vezes ficava muito louco. Atire a primeira pedra quem nunca fez uma besteira.


E o nome Celso Blues Boy, como surgiu?

Nessa época eu tocava com Sá & Guarabira. Eu tinha 17 anos. O Sá sabia uma coisa que eu não sabia. Que B. B. King era “Blues Boy” King. E aí ele começou a me chamar de Celsinho Blues Boy. Depois de alguns cartazes com destaque para este nome (muitas vezes de sacanagem do Sá), tirou-se depois o diminutivo e pegou.

 

E o reconhecimento da midia, quando veio?

Foi com Aumenta que isso aí é rock’n’roll.  As pessoas, quando assistiam meu show, perguntavam: “Quem é esse cara que tá tocando?”. Acabava a música e as pessoas se dispunham a ouvir outras músicas que eu tocava, entre elas alguns blues e rhythm & blues. Isso foi começando a chamar a atenção da midia, e comecei a tocar em todos os grandes programas e aparecer em grandes jornais e revistas. Nessa época, as bandas que faziam a abertura dos meus shows eram Kid Abelha, Legião Urbana, Barão Vermelho e Titãs. Por exemplo, o Cazuza, depois que saiu do Barão Vermelho, fez sua primeira gravação em um disco meu, eu o convidei para fazer uma ponta em uma música que veio a fazer sucesso depois, que se chamava Marginal. É engraçado que não colocam isso nem na discografia dele. Mais engraçado ainda foi com os Titãs. O primeiro show que eles fizeram no Rio de Janeiro foi abrindo meu show no Circo Voador. Eu me lembro que existia uma rixa muito grande entre São Paulo e Rio na época. Quando vi a passagem de som deles, falei com a produção que aquilo poderia não dar certo. Os caras estavam vestidos meio esquisitos e dançavam estranhamente; além disso, a música falava palavrões. Achei que podia dar confusão. Eu era jovem mas já era retrógrado (risos). Quando chegou no show, não deu outra, foi uma chuva de latas em cima deles. O mais curioso é que saiu nas bancas de jornal, uma enciclopédia ou algo assim, algo bem legal falando do rock Brasil, e lá eles falam que nada disso aconteceu e que foi uma banda de heavy metal que havia feito a abertura do show e a confusão tinha sido feita pelos fãs dessa banda. Há certas vaidades que não permitem que as pessoas, as futuras gerações, saibam com clareza como foi a história do rock e do blues no Brasil. O que é uma pena.

 

E o Circo Voador, qual a importância desse espaço histórico na sua carreira?

Foi no Circo Voador que eu descobri que estava fazendo sucesso mesmo. Eu morava em Santa Teresa, onde passam aqueles bondinhos, e logo que o Circo Voador chegou na Lapa, eu estava tocando muito na rádio Fluminense, e nem era disco, era fita cassete. Então fui convidado para fazer a abertura do show do Robertinho de Recife no Circo. Os shows deram uma média de 800 pessoas por dia, o que para a época era um bom público. Depois destes shows o Circo Voador e a rádio Fluminense me fizeram uma oferta pra fazer um show sozinho lá. No dia do show, vou de bondinho para o Circo. Quando estou passando em cima dos Arcos da Lapa e olho para o Circo, falei: “Meu Deus – e ainda era a época da ditadura militar – vai ver que tem alguém fumando alguma coisa que não devia”. Era uma multidão inacreditável. Quando eu desci do bondinho com a guitarra e cheguei no Circo Voador, vi que aquela multidão não era confusão nenhuma. Era pra ver o meu show. Tive que sair correndo e entrar pela lateral do Circo, porque as pessoas já estavam me cercando e saíram correndo atrás de mim. Tive que correr muito. Ainda bem que eu tinha uma saúde de ferro. É uma historia que eu gosto de contar porque foi o dia em que realmente eu senti: “Pô, eu virei alguma coisa”.

 

E a sua amizade com B.B. King como começou?

Fui contratado por uma revista para fazer uma entrevista “de guitarrista pra guitarrista”. E ele ia fazer uma coletiva no Hotel Nacional do Rio. Só que, quando eu cheguei, com crachá de repórter e tudo, não colou. Todo mundo queria tirar foto, falar comigo. E alguém falou que ele queria me conhecer. Ainda mais porque eu tinha o nome dele. Eu tinha levado dois discos meus pra ele. Marginal estava tocando em todas as rádios do Brasil. Aí me botaram na frente do cara. Nos conhecemos, ele me pediu pra eu autografar os meus discos que dei a ele. No dia do show, ele me chamou no palco, a platéia praticamente me atirou lá em cima. Ele me deu a guitarra dele pra tocar e disse: I love your feeling. Nessa hora, eu devolvi a guitarra. Eu já havia ganho a vida. O mundo pode me odiar, mas a minha missão está cumprida.

 

Dizem que você nem tocou direito porque estava em prantos. É verdade?

É pura lenda. Eu chorei sim, mas foi antes, durante a coletiva com a imprensa. E nem foi na frente dele. Eu fui pra última cadeira do auditório pra ninguém me ver chorando. Aí ele se levantou e me levou pra sentar do lado dele durante toda a coletiva. Depois do show ele me convidou para tentar uma carreira solo nos Estados Unidos. Eu não tinha condições de largar a minha carreira, no melhor momento dela no Brasil, preferi ficar. Um ano depois ele volta, e ele e seu empresário disseram que as vendas de discos do B. B. King haviam aumentado muito no Brasil. Certa vez ele me perguntou: “Você sabe porque eu gosto do seu blues? É que eu não gosto de ver o blues renegado à idéia de um negrão tocando três acordes com uma garrafa de uísque no chão, você toca diferente”. Foi aí que eu vi que estava fazendo a coisa certa, eu estava liberando mais uma outra forma de blues e não agredindo o blues, como muitos outros artistas, americanos, que acham que se não for daquela forma mais tradicional, não é blues. Uma coisa que sempre defendo é que o blues não é americano. O blues não é japonês. Não é nada. O blues é uma música do coração.  Ele sempre falava comigo bem pausadamente, Por que ele notava que o meu inglês não era dos melhores. Aliás, o pouco que eu sei de inglês até hoje eu devo muito a ele (risos).

 

Como você vê o mercado de blues no Brasil?

Depois dessas vindas de B.B. King ao Brasil, e da mídia toda em torno delas, é que se começou a abrir o mercado. Como eu estava no meio disso tudo, acabei entrando junto e também participando desse mercado. Meus discos também tiveram boas vendas. De repente começou uma explosão de bandas de blues pelo Brasil inteiro. Até pouco tempo eu tinha matérias que falavam sobre isso em grandes jornais do país. Me lembro de uma manchete da Folha de São Paulo que dizia: “Os blues boys do Brasil”. Só em São Paulo naquela época tinha mais ou menos 250 bandas de blues (final dos anos 80 e começo dos anos 90). Mas isso não me espantava porque em todo lugar que eu tocava, e era em quase todo Brasil, sempre tinha uma banda de blues e uma rádio que tocava blues.

 

O fato de cantar em português não atrapalhou a sua carreira internacional?

Eu não sinto dessa forma, acho que nos países onde toquei, nos Estados Unidos ou na Europa, eles gostavam da minha música como um todo e no final até diziam que não entendiam nada do que eu dizia nas letras, mas que gostavam muito do som.

 

Você se considera uma influência para as bandas e artistas que vieram depois de você?

Eu posso ter até influenciado algumas pessoas ou bandas, mas o que eu sinto falta neste legado que poderia ter deixado são artistas que trabalhem com composições próprias, o trabalho autoral. Algumas bandas que eu até tentei ajudar vieram depois denegrir meu trabalho pelo fato de ser em português. Mas acho que isso não influenciou em nada minha carreira. Não adianta você tocar guitarra pra c... e não ter um trabalho autoral, e o português é a diferença. Pelo menos no meu caso foi.

 

E o  futuro do blues no Brasil, como você vê?

Eu vejo com esperança. O blues já é uma música aceita. Mesmo que escutem poucos artistas brasileiros e muitos estrangeiros. O que falta mesmo é o aparecimento e a oportunidade para bandas com trabalhos autorais bons, e que elas não percam o rumo e as oportunidades.

 

E o futuro na sua carreira?

Bom, eu estou terminando um CD que preparei durante três anos e meio. Vai ser o CD mais bonito da minha carreira. Setenta por cento dele já está gravado. As pessoas nunca param pra pensar no que é você fazer sucesso. O meu primeiro LP eu demorei anos pra gravar. Peguei só a nata das músicas que tinha composto. No ano seguinte já queriam que eu gravasse outro sucesso. As grandes gravadoras querem isso. Mas depois do primeiro sucesso vêm os shows e você não tem nem tempo pra compor. Hoje, o meu produtor e empresário quer que eu grave um DVD. Eu não queria muito fazer isso. Ele fala que é necessário. Eu até acredito, porque ele é meu amigo, e pode até acontecer que eu faça. Mas na verdade, neste momento, isso não me dá tesão. O que me dá tesão é este CD. Ele tá lindo. Eu convidei à minha casa os maiores especialistas em Celso Blues Boy, todos eles guitarristas, e eles sabem da minha obra melhor que eu. Todos eles disseram que este disco será minha obra-prima.

 

Qual o balanço que você faz da carreira?

O balanço é sempre positivo. Pra ilustrar posso citar um fato curioso. Próximo ao Circo Voador existe uma maternidade. Outro dia, andando nas ruas do Rio de Janeiro, encontro um “compadre” que tinha colocado o nome do filho dele de Celso porque no momento em que ele nascia na maternidade ao lado, eu mandava ver na guitarra no Circo Voador. Você não coloca o nome em um filho à toa. Então, aí eu tenho certeza que a minha vida valeu pra alguma coisa.

 

 

 

 

 

Discografia:

 

 

 

Confira também as entrevistas anteriores:

 

  Lancaster

  Big Joe Manfra 

  Fernando Noronha  

  Jefferson Gonçalves  

  Solon Fishbone  

  Flávio Guimarães  

  Nuno Mindelis  

 

 

 

 

 

Celso Blues Boy

 (foto: Luciano Mattos)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz